Foto: Renata Silva/SEESPO secretário de Estado Adjunto de Esportes, Ricardo Sapi, recebeu, nessa quarta-feira (09), a visita do golfista mineiro Gilson Filho.

Aos 21 anos, o atleta natural de Belo Horizonte, é uma das apostas do Brasil na modalidade. Gilson compete atualmente na África do Sul, onde mora. Atualmente ele ocupa o 86º lugar no ranking nacional.

Segundo ele, o objetivo é buscar uma melhor colocação para defender as cores brasileiras em grandes torneios. “Meu grande objetivo é chegar aos Jogos Olímpicos e, para isso, preciso obter um melhor posicionamento no ranking mundial. Como ainda sou jovem, as perspectivas são boas”, comentou.

O golfe

O objetivo básico do esporte é acertar a bolinha em todos os 18 buracos do campo com o menor número de tacadas possível. Nos circuitos profissionais de hoje, a contagem do placar é feita com base em um índice chamado par, que mostra o número de tacadas previstas para levar a bolinha até cada buraco do campo. Quando se diz que um buraco tem par três, por exemplo, significa que geralmente são necessárias três tacadas até encaçapar a bolinha.

A soma do par dos buracos dá o par do campo, ou seja, a média de tacadas para completar o circuito.

Os jogadores costumam praticar o esporte acompanhado de seu caddie, um auxiliar particular de fundamental importância, pois, além de carregar os tacos, ele dá dicas sobre a melhor estratégia para superar cada buraco. No total, cerca de 30 regras regem situações específicas do esporte – como o jogador que acerta a bola de outro e é punido com duas tacadas. Entretanto, algumas modalidades são disputadas com regulamentos diferentes. No jogo em equipes, por exemplo, só se considera o número de tacadas do jogador com o melhor desempenho em cada buraco.